VARIZES


VARIZES DE MEMBROS INFERIORES OU INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA

VARIZES são dilatações das veias dos membros  inferiores, que se encontram tortuosas, com perda da função destas veias.

A ação natural das veias é a de transportar o sangue de retorno ao coração. Em uma veia varicosa esta atividade encontra-se  prejudicada, uma vez que a veia dilatada é incompetente para conduzir o sangue na velocidade necessária; portanto haverá uma redução no fluxo sanguíneo, causando  estagnação do sangue neste segmento.

As varizes são conhecidas e citadas desde a era antes de Cristo no Egito, no Papiro de Ebers em 1550 a.C e por Hipócrates em 460 a.C.
São mais comuns nas mulheres do que nos homens devido aos hormônios  progesterona e estrógeno em maiores níveis no sexo feminino.

AS PRINCIPAIS CAUSAS SÃO:

- Hereditariedade: O fator familiar e hereditário é um dos mais importantes, uma vez que a genética pode levar as famílias a terem doenças mais propensas  e as varizes incluem-se nesta tendência.

- Idade: A partir da puberdade até os 70 anos de idade, entretanto a maior frequência está entre mulheres de 30 a 50 anos.

- Gestações: É o maior fator que causa varizes. Quanto maior o número de gestações, maior a probabilidade de desenvolver varizes.

Realizamos uma pesquisa em mulheres grávidas e observamos que as varizes preexistentes à gravidez pioram muito e tornam a gestação bastante desconfortável se estas varizes não forem tratadas antes do período gestacional. Desta forma, nossa conduta é tratar antes da gravidez.

- Obesidade: É um fator desencadeante, porque há dificuldade de retorno do sangue.

- Postura no Trabalho: É polêmico, mas observamos que as pessoas que permanecem muito tempo em pé ou sentadas, apresentam maiores riscos de desenvolverem varizes.

- Raça: Observa-se menor incidência na população negra; talvez porque ela possua maior riqueza em tecido elástico na parede venosa.

- Anticoncepcionais e Reposição Hormonal: O uso prolongado de hormônio progesterona pode elevar a tendência no desenvolvimento das varizes e este hormônio encontra-se frequentemente nestes tratamentos.

- Saltos altos: É polemico, mas observamos que as pessoas que utilizam muito salto alto, oferecem maior risco de desenvolverem varizes.

SINTOMAS:


Os mais frequentes são:
- Desconforto estético;
- Dor; sensação de peso nas pernas;
- Cansaço principalmente ao fim do dia;
- Câimbras; formigamento;
- Inchaço.

Os menos frequentes são:
- Manchas marrons irreversíveis;
- Manchas roxas.


COMPLICAÇÕES:

Eczemas: inflamação caracterizada por vermelhidão, coceiras ou lesões  com vesículas que se tornam escamosas, crostas ou secretam líquidos;

Hiperpigmentações: Manchas escuras, marrons, irreversíveis. Também conhecidas como dermatite ocre.

Hemorragias: Sangramentos que são decorrentes da rotura das veias que se encontravam com a parede fina. Há risco de ocorrer durante o sono ou depois de uma batida no local ou até mesmo espontaneamente.

Úlceras:
conhecidas como úlcera varicosa, geralmente são acompanhadas de infecção, malcheirosas e limitam a convivência social da paciente.

Tromboses: Podem ser superficiais (menor gravidade) ou profundas (maior gravidade). A trombose venosa pode evoluir para embolia pulmonar, que é a mais temida complicação da trombose.

O diagnóstico é realizado principalmente mediante minucioso e cuidadoso exame clínico realizado no consultório, sempre com a paciente em pé.
O exame de Ultrassom Doppler ou Duplex Scan deve ser realizado quando houver dúvidas, porém este é um auxiliar do exame clínico.

TRATAMENTO:

O TRATAMENTO DAS VARIZES deve ser iniciado precocemente, tão logo surjam os primeiros sintomas. É importante o conhecimento dos fatores que contribuem para melhorar ou piorar o problema.

O tratamento com remédios é paliativo e visa combater os sintomas e não elimina tampouco as varizes, muito menos previne. A utilização de meias elásticas traz benefício nos sintomas e na prevenção; devem ser utilizadas durante o dia e não para dormir.

O tratamento de escleroterapia (secagem de vasos) é realizado no consultório, sem nenhuma restrição após as sessões. Na maioria das vezes é indolor, utilizamos anestésicos locais, não há restrição ao sol nem ao trabalho. A ginástica pode ser realizada no dia seguinte.

A cirurgia é minimamente invasiva. Realizamos o procedimento com agulhas, sem cortes, sem pontos na maioria dos casos e na maioria das operações NÃO RETIRAMOS A VEIA SAFENA.

A IMPORTÂNCIA DA VEIA SAFENA MAGNA

A veia safena magna é a maior veia do corpo humano e a melhor para ser utilizada como substituta em cirurgias cardiovasculares, como as pontes de safena no coração e nos membros inferiores.

Em uma cidade como São Paulo em que a violência urbana é crescente, em casos de lesões de artérias dos membros inferiores, seja por armas de fogo, branca ou traumatismos como fraturas, a veia safena poderá ser  utilizada na maioria das vezes.

Em casos de isquemia do coração, como nos infartos do miocárdio, nos pacientes que necessitam revascularização, existem alternativas: os stents, que são molas metálicas, as artérias mamárias e radiais e a VEIA SAFENA.

Por estas razões, a veia safena deve seguir rigorosas seleções para serem retiradas nas cirurgias de varizes dos membros inferiores. Alguns estudos realizados no Brasil e no exterior, sugerem que a safena somente deve ser retirada quando seu diâmetro ultrapassar oito milímetros  e / ou existirem grandes refluxos.

A cirurgia a laser das varizes, assim como a radiofrequência, na maioria das vezes inutiliza a safena. Estes tratamentos têm indicações restritas e devem ser analisados como exceção e não como regra.

Também deve ser estudada  a possibilidade de se realizar a retirada da veia  segmentar, ou seja, preservar o máximo possível esta importante veia do membro inferior.

Quando é feito o tratamento das varizes primárias dosmembros inferiores por meio da cirurgia ou de outros procedimentos, a preservaçãoda VEIA SAFENA é recomendável sempre que possível, ou seja, seela estiver normal ou com alterações que ainda permitam asua recuperação pela correção ou eliminação da causa queestá desencadeando a sua disfunção. Varios estudos nacionais e internacionais demonstram que a retirada de varizes podem melhorar muito a função de uma safena parcialmente comprometida.

Os conceitos de literatura moderna defendem a presevação da veia safena.Baseado nestes conceitos somente retiramos a safena se ela possuir mais que 8 mm de diametro e se houver grave refluxo !!

PRESERVAR A VEIA SAFENA MAGNA: TRABALHOS PUBLICADOS COMPROVAM ESTA TESE.

INUMEROS

Varicose vein surgery in lower limbs with preservation of the great
saphenous vein

A veia safena magna autóloga é o melhor substituto arterial nas revascularizações dos membros inferiores, importante na revascularização do miocárdio e pode ser utilizada nas cirurgias do sistema venoso e nos traumas das extremidades. A fleboextração aumenta os riscos de lesões linfáticas e neurológicas. Assim, no tratamento das varizes primárias dos membros inferiores por meio da cirurgia ou de outras técnicas, a preservação da safena é recomendável se ela for normal ou apresentar alterações que ainda permitam sua preservação pela correção da causa desencadeante. Tal correção pode ser feita por técnicas cirúrgicas. Entre elas, a cura hemodinâmica da insuficiência venosa em ambulatório (CHIVA) tem mostrado bons resultados. Recentemente, um ensaio clínico randomizado e controlado foi publicado comprovando sua eficácia. Outra técnica bastante utilizada é a da ligadura rasante da junção safenofemoralcrossectomia + ligadura das tributárias Entre nós, Luccas et al.7, após observarema VEIA SAFENA com o Doppler através de técnica por eles desenvolvida,indicaram a preservação nos pacientes com safena normal ou pouco alterada, REFLUXO POUCO SIGNIFICATIVO OU SAFENAS COM DIAMETROS MENORES QUE 8 mm EM SUA EXTENSÃO Stehling encontrou essa alteração em que tinham algum refluxo troncular, ou seja, o refluxo era ao nível da crossa, porém, por incompetência da valva subostial e não da ostial. Tais autores submeteram 41 pacientes com esse tipo de alteração à cirurgia, fazendo a ligadura e remoção das tributárias da crossa na maior extensão possível e tiveram bons resultados na maioria dos pacientes (92%), em seguimento de curto prazo (2 a 18 meses).
Para que as alterações acima citadas se fazendo exclusivamente a retirada dos trajetos varicosos e ligadura das perfurantes. Obtiveram bons resultados (87,69%) a curto e médio prazo (2 a 7 anos de seguimento)

Hammarsten e colaboradores realizaram um estudo randomizado e controlado, onde os pacientes, após serem avaliados por flebografia ascendente e descendente e pela pletismografia strain-gauge, foram operados. Logo após, foram sorteados para safenectomia ou preservação da
Veia Safena Magna. Em ambos os grupos, foram feitas retiradas dos trajetos varicosos e ligadura de todas as perfurantes insuficientes. Os pacientes foram reavaliados após 4 a 5 anos, através do exame clínico, pletismografia strain-gauge e pelo MDC. A maioria dos pacientes teve boa evolução clínica, a ocorrência de recidivas foi igual nos 2 grupos e a pletismografia voltou a valores normais. Não houve diferença estatística entre os dois grupos. No grupo em que a Veia Safena Magna foi preservada, 78% delas estavam adequadas para serem utilizadas como pontes para o coração ou para salvar pernas.

TRATAMENTO DE VARIZES A LASER

Nas microvarizes e varizes as melhores opções são a microcirurgia e/ou cirurgia convencional, que consiste em extrair os vasos dilatados.

A radiofrequencia ou laser podem ser alternativas APENAS para retirar a veia safena.

Frequentemente, ao propor uma técnica de tratamento, que não seja laser, o paciente questiona o médico sobre sua decisão.

O laser é um excelente veículo de Marketing, mas, é fundamental destacar, não deve ser usada para todos os casos de varizes. De acordo com artigos médicos, tanto pela eficácia quanto pelo preço, o laser pode ser a quarta alternativa de tratamento, superado pelas cirurgias, pela escleroterapia e pela radiofrequência.

Foi o parecer da maioria dos cirurgiões vasculares brasileiros no evento Contrversias de 2013, da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular , São Paulo.

 

TRATAMENTO A LASER PÉSSIMO RESULTADO

MANCHAS PRODUZIDAS PELO TRATAMENTO A LASER

TRATAMENTO DE VARIZES

APÓS 12 DIAS DA OPERAÇÃO

ÓTIMO RESULTADO